Conversar ou comunicar?


Nestes tempos de pandemia, onde boa parte das equipes estão trabalhando remotamente, cuidar da comunicação é essencial para termos o resultado planejado e manter o moral do grupo e o engajamento em alta.


Porém, quando entramos em contato com nossa equipe, estamos atentos à comunicação ou somente à conversa? Explico: muitas vezes mantemos uma “boa” conversa com nossos liderados ou pares, pessoalmente ou remotamente, sem nos atermos que esta conversa tem um objetivo e para alcançá-lo é necessário que estejamos nos comunicando adequadamente, e não somente conversando.


Muitos problemas do nosso dia a dia são devidos a algum “mal entendido”. Ou seja, se o tema “não foi isso que eu entendi” ou “não foi isso que eu falei”, estiver em pauta é sinal que precisamos cuidar de nossa comunicação. Em tempos de trabalhos em casa requerendo conversas remotas, esta situação tende a se agravar.


Quando eu digo: “algo precisa ser realizado com urgência”. Qual o tempo que você imaginou? Será que foi o mesmo tempo que eu imaginei? E se eu disser que algo é barato, será que você pode calcular o valor aproximado a que estou me referindo? E ainda se eu disser que algo não precisa estar perfeito, somente com uma qualidade aceitável, você sabe o que isso significa?


Ao nos comunicarmos, desencadeamos um processo que se inicia com um sentimento ou ideia que queremos transmitir a alguém. Este sentimento eu transformo em uma mensagem que eu codifico e tento transmitir a alguém que irá decodificar a mensagem que recebeu. Tudo seria muito simples se todos tivéssemos a mesma máquina de “codificação e decodificação”.


Ocorre que muitas vezes os códigos usados por quem fala e por quem ouve são diferentes, pois a codificação está sujeita a vários fatores como: a nacionalidade, regionalidade, cultura, religião, escola, hábitos de família…etc. decorrentes das experiências de vida que são diferentes e que nos fazem expressar nossos sentimentos e ideias com palavras distintas e específicas.


Assim, para aumentar a efetividade da minha comunicação e não apenas conversar, preciso considerar: qual é o resultado que eu quero da comunicação? Qual a mensagem que eu quero tornar comum? Como eu me sinto ao ter que falar sobre o assunto com essa pessoa? Como eu vejo essa pessoa? Finalmente para ter a certeza de que consegui, não há outra alternativa a não ser obter feedback. Para isso solicite à pessoa que ela expresse nas palavras dela o que você tentou transmitir.


Uma dica adicional, nestes tempos de afastamento social forçado, muitas vezes fazer boas perguntas e ouvir de verdade para compreender o outro é mais importante para a boa comunicação do que falar.


E você, tem se comunicado adequadamente ou só conversado?


Escrito por Paulo Couto – Consultor da DorseyRocha Consulting.  Engenheiro civil com Pós Graduação em Administração Hospitalar. Professor Pós Graduação na UNICAMP. Foi Professor e Coordenador da Faculdade de Administração de Empresas da UNIP Campinas, graduação e pós-graduação.

0 visualização

SOBRE NÓS

Consultoria empresarial com mais de 45 anos de experiência em desenvolvimento humano e organizacional, liderança, coaching e educação corporativa.

CONTATO

ACOMPANHE-NOS

Rua Domingos Rodrigues, nº 341, cj. 99

São Paulo/SP

CEP: 05075-000

​MÍDIAS SOCIAIS

Você também pode acompanhar a DorseyRocha nas redes sociais abaixo. Siga e fique por dentro de todas as novidades.

  • White Facebook Icon
  • Branca Ícone Instagram
  • Design sem nome (67)
  • Branca ícone do YouTube
  • White LinkedIn Icon

© 2020 por DorseyRocha Consultoria