Treinamento não precisa dar retorno financeiro, certo?


Precisa sim e é possível! Segundo a “Pesquisa Panorama do Treinamento no Brasil”, apenas 7% das empresas fazem avaliação de resultados dos projetos de treinamentos.



A maioria preocupa-se em avaliar reação, aprendizado e aplicabilidade. São aspectos necessários e importantes, mas não suficientes para garantir que o que foi investido tenha algum retorno para o negócio.


É clássico o fato de que, em crises, muitas empresas cortam investimentos em treinamento e desenvolvimento. A razão: a alta gestão não percebe benefícios visíveis, menos ainda ROI.


Os investimentos em Educação Corporativa precisam ter seu retorno medido, como qualquer outro.


Medindo o treinamento

Sugerimos algumas iniciativas para que Gestores e RH lidem com a situação:

  1. Antes de desenhar o programa de treinamento e desenvolvimento T&D, investigarem juntos que resultado da área (empresa) precisa ser melhorado. Ou seja: qual o indicador que não está bem ou que se quer impulsionar? O modelo ao lado – 7 Áreas de Resultados – pode ajudar. Essas expectativas devem ser contratadas com o público alvo do processo de T&D na 1ª hora. Deixar claro que se espera não apenas que as pessoas gostem e vejam aplicabilidade no processo pelo qual passarão, mas que determinado resultado precisará ser melhorado e que isso é o que será cobrado a posteriori.

  2. Definir quais os comportamentos que precisam ser melhorados para que, a partir deles os resultados possam aparecer.

  3. Posto isso, aí sim definir que ações de T&D podem e devem ser colocadas em prática – o desenho do programa. A figura a seguir mostra que a concepção do T&D deve partir dos resultados para “a sala de aula” enquanto que a execução e gestão vão pelo caminho inverso.

  4. Outro aspecto importante são as iniciativas que garantirão que os participantes apliquem os novos comportamentos para gerar os resultados. A “gestão do desempenho” é crucial. Os gestores dos participantes precisam se envolver (ou continuar se envolvendo, pois começaram no item 1). Agora é a hora dos gestores garantirem 3 aspectos: a)estrutura e recursos para que as pessoas consigam implementar as ações; b)apoio para superar as dificuldades que aparecerão e; c)cobrança para facilitar a priorização do que precisa ser feito. Como afirmou Ken Blanchard em “Know Can do!”: “Para mudar comportamentos e obter os resultados que você quer, você precisa de estrutura, apoio e prestação de contas.”


Alimentando o processo

Feedback contínuo e registro de dificuldades e avanços ajudam a realimentar o processo de modo que novas iniciativas de T&D ganhem em eficiência.

Não é um processo fácil nem será excelente na primeira tentativa, mas sim uma mudança de cultura de gestores, colaboradores e Recursos Humanos para o benefício de toda a organização.


E na sua empresa, os resultados dos investimentos em T&D acontecem e são medidos?


Escrito por Ismael Almeida Iba – Consultor da DorseyRocha Consulting. Formado em Matemática com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. Certificado em Coaching pelo ICI Integrated Coaching Institute. Professor na BSP Business School São Paulo.

SOBRE NÓS

Consultoria empresarial com mais de 45 anos de experiência em desenvolvimento humano e organizacional, liderança, coaching e educação corporativa.

CONTATO

ACOMPANHE-NOS

Rua Domingos Rodrigues, nº 341, cj. 99

São Paulo/SP

CEP: 05075-000

​MÍDIAS SOCIAIS

Você também pode acompanhar a DorseyRocha nas redes sociais abaixo. Siga e fique por dentro de todas as novidades.

  • White Facebook Icon
  • Branca Ícone Instagram
  • Design sem nome (67)
  • Branca ícone do YouTube
  • White LinkedIn Icon

© 2020 por DorseyRocha Consultoria